Notícias
16-07-2018 - Parlamentares falam sobre momento político e papel da sociedade, em Novo Hamburgo
...

As entidades representativas da cadeia coureiro-calçadista nacional Abicalçados, Abrameq, AICSul, Assintecal e CICB promoveram, sexta-feira (13), um encontro com parlamentares, empresários ligados à atividade e imprensa para tratar do atual momento político nacional e qual o papel da sociedade na resolução das crises políticas e econômicas que afligem o Brasil. Para o debate, foram trazidos a senadora Ana Amélia Lemos e o deputado federal Renato Molling, ambos defensores da indústria calçadista no Congresso Nacional. O encontro aconteceu na Sociedade Ginástica, em Novo Hamburgo.

O deputado federal Renato Molling, presidente da Frente Parlamentar em Defesa dos Setores Coureiro-Calçadista e Moveleiro, ressaltou que o momento é de enfrentar as turbulências econômicas e políticas com engajamento no pleito eleitoral de outubro. "Nos últimos anos, tivemos administrações populistas que fizeram um grande estrago na economia do País. O nosso papel, enquanto sociedade, é termos envolvimento no processo, votando melhor, em técnicos e gestores honestos nas próximas eleições", disse. Na sequência, a senadora Ana Amélia Lemos destacou o protagonismo da sociedade na mudança do atual ambiente político, recheado de escândalos de corrupção e falta de zelo com o dinheiro público. Frisando a importância da ética e transparência no combate à corrupção, a parlamentar ressaltou que os cidadãos devem praticar a honestidade nas ações do dia a dia e não apenas cobrar publicamente os políticos corruptos. 
No evento, ambos os parlamentares agradeceram o apoio dos empresários da cadeia coureiro-calçadista e se comprometeram a seguir lutando por melhores condições de competitividade para o setor. Tanto Ana Amélia quanto Molling foram fundamentais para o logro do pleito pela manutenção da indústria calçadista na no rol de setores beneficiados pela desoneração da folha de pagamentos (pagando 1,5% do faturamento bruto com vendas domésticas invés dos 20% sobre a folha de pagamentos), mecanismo essencial para a atividade, especialmente no momento atual de demanda desaquecida e falta de competitividade no mercado internacional.