Notícias
14-12-2018 - NOTÍCIAS Abertas as inscrições para o Fórum Fimec 2019 Além de ser o local onde a indústria cria negócios, a Fimec busca agregar conteúdo transformador aos visitantes através do Fórum Fimec, que já está confirmado para a 43ª edição da única feira do mundo
...

 Fabricantes de calçados elaboraram pleitos ao próximo governo entre os quais um pedido para que a abertura comercial ocorra de forma gradual e que se evite "concorrência predatória". O documento da Abicalçados foi encaminhado ao senador eleito Luís Carlos Heinze (PP). A Abicalçados afirma que a redução ou eliminação das tarifas de importação "deve ocorrer de forma sincronizada com a diminuição do Custo Brasil". A entidade considera que essa seria a forma de dar melhores condições de competitividade para a indústria nacional. "Não somos contra o livre o mercado, mas é preciso ter equidade para a concorrência legal e não predatória", justifica em nota o presidente-executivo da Abicalçados, Heitor Klein. Nos dez anos entre 2007 e 2017, segundo a Abicalçados, as exportações de calçados saíram de US$ 1,7 bilhão para US$ 1 bilhão, patamar semelhante ao da década de 1990. No mesmo período, o número de empresas na atividade caiu de 8 mil para 7 mil. A agenda de abertura comercial tem sido um ponto de atenção no setor calçadista. Executivos consideram que ainda é cedo para chegar a conclusões, mas especulam que pode haver aumento em importações e prejuízo para algumas fabricantes de menor eficiência. "Não é novidade que a indústria de manufatura nacional, em especial a mais intensiva em mão de obra, passa por grandes dificuldades competitivas", diz a nota da Abicalçados. Ainda sobre o comércio exterior, a entidade pede o restabelecimento do Reintegra nas alíquotas originais do programa, que ao ser implementado em 2012 previa alíquotas de 3% a 5%. Em junho de 2018 houve a redução da alíquota de restituição do programa, de 2% para 0,1%.

Jornal do Comércio