Notícias
01-11-2019 - Nível máximo de desemprego ficou para trás, avalia IBGE
Leia mais...

O patamar de pessoas desempregadas no Brasil teve reduções significativas em 2018, o que não ocorreu no mesmo ritmo em 2019. "A expansão da população ocupada está num ritmo menor do que o observado em 2017 e 2018. Esse movimento mais acentuado pode estar associado a uma base de ocupação mais fraca", disse a analista do IBGE, Adriana Beringuy.

O mercado de trabalho já ensaia um movimento de queda do desemprego para o final do ano, mas ainda é necessário aguardar os números do quarto trimestre, lembra a analista do IBGE.

O número de desempregados diminuiu em quase 2 milhões desde que atingiu seu maior patamar em 2017, mas ainda está 6 milhões acima do piso da série histórica. Na prática, mais do que o dobro dos 6 milhões registrados no último trimestre de 2013.

O IBGE divulgou nesta quinta-feira que a taxa de desocupação atingiu 11,8% — ou 12,5 milhões de pessoas. Em seu pior resultado da série histórica chegou a R$ 14,1 milhões em 2017, enquanto o melhor nível foi de R$ 6 milhões em 2013.

Valor Econômico