Notícias
04-06-2020 - No RS, 5,6 mil pequenas e médias empresas já financiaram a folha salarial
...

Uma das primeiras medidas anunciadas pelo governo federal para atenuar a crise do coronavírus, o financiamento da folha salarial tem baixa adesão no Rio Grande do Sul. Entre 8 de abril e 28 de maio, o Banco Central (BC) indica que 5,6 mil pequenas e médias empresas (PMEs) gaúchas obtiveram recursos. Isso representa apenas 8% das 70,2 mil PMEs constituídas no Estado, levando em conta dados do Sebrae-RS e da Rais. As exigências dos bancos e até mesmo o desinteresse das companhias explicam o resultado modesto.

 


No Rio Grande do Sul, o volume liberado dentro da linha disponibilizada pelo BNDES chega a R$ 123,2 milhões, garantindo os salários de 81,2 mil trabalhadores. Levando em conta que a falta de capital de giro se transformou no principal problema dos empreendedores e o potencial público que a medida poderia atingir, o superintendente do Sebrae-RS, André Godoy, avalia como "insignificante" o desempenho até o momento.


- O principal empecilho é que existe muita burocracia para as empresas acessarem a linha junto aos bancos. Outro fator que interfere é a obrigatoriedade de as empresas garantirem estabilidade. O empresário pode estar com receio de tomar o financiamento e ter de garantir o emprego, sem ter certeza de uma retomada – constata Godoy.  


Anunciada no final de março, a linha foi oficializada pela Medida Provisória (MP) 944 em 3 de abril, que instituiu o Programa Emergencial de Suporte a Empregos (Pese). A ideia era disponibilizar um financiamento com juro baixo, de 3,75% ao ano, carência de seis meses e pagamento em até 36 meses. A alternativa contemplaria duas folhas de pagamentos, de abril e maio, e estaria disponível até 30 de junho. 


Zero Hora