Notícias
18-06-2020 - Indústria do RS recupera parte da confiança
...

Depois de cair por três meses consecutivos, o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI-RS), divulgado nessa quinta-feira (18) pela FIERGS, cresceu dez pontos em junho, na comparação com maio, saltando para 42. Mesmo assim, em uma escala de zero a cem pontos, na qual os 50 separam a presença da ausência de confiança, o resultado revela que, apesar de menor, a falta de otimismo ainda predomina na indústria gaúcha. "Essa recuperação parcial na expectativa reflete o maior ânimo do empresário com o afrouxamento das medidas de contenção da pandemia e da reabertura gradual da economia. Contudo, em pouco altera o cenário de crise intensa e incertezas, sinalizando perdas menores ou alguma retomada nos próximos meses e não uma reversão do ciclo recessivo", diz o presidente da FIERGS, Gilberto Porcello Petry.

 
O Índice de Condições Atuais subiu 2,4 pontos em relação a maio, para 26,9 em junho, o que expressa uma percepção muito negativa dos empresários (bem abaixo dos 50 pontos), sobretudo com relação à economia brasileira, cujo índice cresceu de 18,3, em maio, para 20,9 pontos, em junho. Das empresas consultadas nesse mês, 86,6% avaliaram as condições da economia como piores. O Índice de Condições das Empresas também avançou de 27,6 para 30 pontos no período e, da mesma forma, segue a indicar quadro de piora, que atinge 68,2% das indústrias gaúchas no mês.
 
A expectativa do empresário industrial no RS está próxima de atingir um patamar positivo. O seu índice aumentou 13,8 pontos em junho ante maio, alcançando 49,5, bem próximo da linha mínima de 50 pontos, o que revela pessimismo menor e mostra a segunda alta seguida (+17,2), após cair 38 pontos nos dois meses anteriores. No período, o Índice de Expectativa sobre a Economia Brasileira teve elevação de 12,4 pontos, chegando a 43,3. O futuro da economia brasileira é visto com pessimismo por 41,8% dos empresários. Já a expectativa sobre a empresa registrou o maior crescimento, de 14,4 pontos, e o maior patamar (52,6) entre os indicadores, sendo o único componente acima de 50 em junho.
 
Comunicação da FIERGS