Notícias
30-11-2020 - Setor calçadista gaúcho volta a contratar
...

A pandemia dizimou empregos na indústria calçadista no país e, particularmente, no Estado. Os dados de fechamento de postos de trabalho no setor calçadista, entre março e maio, foram assustadores. Em junho, o número de demissões caiu, e, em agosto, o saldo de emprego nas indústrias gaúchas do segmento passou a ser positivo, e até outubro já foram criadas 5.235 vagas no Rio Grande do Sul.

 

O relatório Inteligência de Mercado, elaborado pela Abicalçados com dados do Caged, mostra que a retomada das contratações ainda está longe de alcançar o número de desligamentos, que atingiu 20.615 pessoas entre março e julho. Mas, ao menos, estancou a sangria em um segmento intensivo em mão de obra. 

 

Contados os saldos positivos de janeiro e fevereiro, ainda há uma redução total de 10 mil vagas no acumulado do ano até outubro. É a pior situação entre os Estados produtores de calçados no Brasil. Os que têm saldos positivos nos primeiros 10 meses do ano são Ceará (2.269 vagas), Paraíba (887), Paraná (756) e Sergipe (21). Em São Paulo, onde também há um grande polo no segmento, a destruição de vagas se limita a 4.932 no período.

 

A previsão da Abicalçados é otimista para 2021. Em todo o país, estima aumentar o faturamento em 19%. No entanto, a entidade reconhece que o segmento só alcançará o nível pré-pandemia em 2022, porque a queda neste ano deve atingir 25%. 

 

Zero Hora/Marta Sfredo